Notícias

A boa fase do Corinthians rende bolsas de estudo para jovens de baixa renda na Universidade Brasil, instituição de ensino parceira do clube

Data: 22/08/2017 | 0 Comentário


Compartilhe

          

O projeto Esporte com Educação, desenvolvido em parceria entre a Universidade Brasil e o Sport Club Corinthians Paulista, que beneficia jovens de baixa renda com bolsas de estudo de 100% durante toda a graduação em cursos oferecidos pelas IES, deu os primeiros frutos na sexta-feira, 18 de agosto.   

Nessa data, 15 jovens das ONGs Casa dos Meninos 1 - Ação Social Comunitária do Lageado Joilson de Jesus e Centro para Juventude Santa Marcelina, entidades parceiras do Departamento de Responsabilidade Social do Corinthians, prestaram vestibular na Universidade Brasil – Itaquera.

Os minutos que antecederam a prova foi de muita ansiedade e expectativa para esses jovens que, graças a impecável campanha do Timão no Campeonato Brasileiro 2017, conquistaram a oportunidade de dar continuidade aos estudos, já que a proposta do projeto Esporte com Educação é que: a cada vitória do time, gols marcados e defesas espetaculares - resultem em um futuro profissional aos jovens que frequentam as ONGs parceiras do clube.

Os novos universitários foram recepcionados pela diretora do campus, Adamaris Cavalcanti, que se sentiu privilegiada em fazer parte desse projeto inovador e histórico da instituição. “Nós estamos cumprindo nossa missão de uma educação com qualidade, com responsabilidade, com crescimento e, principalmente, inclusiva. Nós vamos ter os frutos disso logo. Vamos ver esses meninos tendo uma carreira e levando a marca da Universidade Brasil”, afirmou a diretora.

“Esse cuidado com a educação já é uma marca consolidada pelo nosso reitor Fernando Costa e, agora, ele agrega a educação à questão do esporte. Para nós que trabalhamos na área da educação não há nada mais prazeroso do que enxergar um futuro e ver que as coisas vão mudar. Iniciativas como essa deveriam ser exemplo, porque quando você oferta uma bolsa de estudo para uma pessoa em situação de vulnerabilidade social, você não muda só o contexto social daquela pessoa, você muda o contexto social da família inteira”, complementou o assessor comercial da Universidade Brasil, Sidnei Shirosaki.

Desde o momento em que foram selecionados até a data do processo seletivo, houve um intenso trabalho de conscientização tanto com os jovens quanto com suas famílias sobre a importância do ensino superior. “Eu nunca pensei que falar de universidade pudesse mexer tanto com o emocional de uma família. É como se uma luz tivesse se acendido do nada e agora eles estão com uma expectativa muito grande. Essa bolsa ainda é impactante na vida deles”, revelou Robert Gomes dos Santos, assistente administrativo da Casa dos Meninos 1.

A assistente técnica do Centro para Juventude Santa Marcelina, Estela da Silva dos Reis, contou que o local atende meninos muito carentes e que muitos deles não têm uma perspectiva de vida. “Desejo que eles possam realmente fazer valer a pena, vistam a camisa e que façam a diferença na sociedade. Uma dica que dou é que se dediquem nos estudos, façam o melhor e se empenhem de verdade”, recomendou Estela.

Após o tempo regulamentar da prova, os jovens fizeram um tour pelo campus, onde conheceram a infraestrutura e os laboratórios dos diferentes cursos ofertados na instituição. Para a futura psicóloga Amanda Gomes Nascimento esse é um passo de muitos que vão vir. “Escolhi Psicologia pela oportunidade que terei de ajudar as pessoas da melhor forma possível. É gratificante poder ganhar esse curso”. Já Victor José do Nascimento Gonçalves revelou que desde pequeno sempre gostou de esporte e com essa oportunidade, pretende se dedicar ao curso de Educação Física. “É esplêndido estar aqui conhecendo a estrutura da universidade. Vou me esforçar bastante nos estudos, porque não é todo mundo que pode ter essa chance. É um privilégio”.

Acompanhando todo esse processo, também esteve presente a gerente de Projetos Sociais do Corinthians, Sônia Maria de Andrade. Para ela, naquele momento, os estudantes estavam se empoderando de uma chave que vai abrir a porta do mundo pra eles, afinal, isso que é a universidade. “O caminho é a educação e nós estamos fazendo por eles o que provavelmente eles não teriam oportunidade de fazer. O nosso objetivo é que eles sejam grandes cidadãos”, concluiu Sônia.

No dia 21, os novos calouros deram início à vida acadêmica. Oficialmente, assistiram ao primeiro de muitos dias de aulas. O primeiro dia de uma carreira que, até aquele momento, era apenas um sonho. E assim, a Universidade Brasil segue cumprindo sua missão: possibilitar a educação de qualidade para todos e, agora, marcam mais um gol de placa com este projeto de inclusão social inédito no futebol brasileiro.




Deixe seu comentário
Seu endereço de e-mail não será publicado.




    Seja o primeiro a comentar!