Localização das Faculdades
 

UNIESP -
Capital SP:

  UNIESP -
Grande SP:
Butantã
Centro Novo
Centro Velho
Interlagos
Mooca
Penha
São Mateus
Tucuruvi
 
Barueri
Caieiras
Diadema
Guarulhos
Itapecerica da Serra
Jandira
Mauá
Ribeirão Pires
Santo André
São Bernardo
São Caetano
 
UNIESP -
Litoral SP:
Guarujá
 
    UNIESP -
Interior SP:
Araçatuba
Araraquara
Auriflama
Avaré
Bauru
Birigui
Boituva
Campinas
Garça
Guararapes
Guaratinguetá
Hortolândia
Ibitinga
Ibiúna
Ilha Solteira
Itu
Jaú
José Bonifácio
Jundíai
Marília
Mirandópolis
Mirassol
Olímpia
Orlândia
Penápolis
Piraju
Pres. Epitácio
Pres. Prudente
Pres. Venceslau
Rancharia
Ribeirão Preto
Rio Claro
Santa Bárbara D' Oeste
Santa Rita do Passa Quatro
São J. Rio Preto
São Roque
Sertãozinho
Sorocaba
Sumaré
Taquaritinga
Tietê
Tupã
Vargem Grande
Vinhedo
 

UNIESP -
Capital RJ:

  UNIESP -
Grande Rio:
Campo Grande
Centro
Madureira
Méier
Duque de Caxias
 
 
 
 
    UNIESP - Tocantins:
 
Colinas
 
UNIESP -
Capital MG:
  UNIESP -
Interior MG:
Belo Horizonte
 
Frutal
Santa Luzia
 
UNIESP -
Capital BA:
  UNIESP -
Interior BA:
Cajazeiras
Vasco da Gama
Luís Eduardo Magalhães
 
 
    UNIESP -
Paraná:
Cascavel
Curitiba
Corn. Procópio
Ibaiti
Ibiporã
Nova Esperança
S. Ant. da Platina
Sarandi
Umuarama
 
    UNIESP -
Santa Catarina:
 
 
Florianópolis
Brusque
 
    UNIESP -
Mato Grosso
do Sul:
Amambai
Fátima do Sul
Nova Andradina
Naviraí
Ponta Porã
 
    UNIESP -
Paraíba:
 
João Pessoa
 
Web Rádio
 
Processo Seletivo
 
Informações sobre a UNIESP
 
Site Institucional
Conheça Presidente Epitácio

A história de Presidente Epitácio teve origem na necessidade, no início do século XX, da construção de uma estrada de rodagem que ligasse o trecho compreendido entre o “sertão desconhecido” e desabitado desta parte do Estado de S. Paulo, com o sul de Mato Grosso (atual Mato Grosso do Sul).

 

Francisco Tibiriçá sabia que a Estrada de Ferro vinha sendo construída lentamente. O próprio governo do Estado de São Paulo também sabia que só poderia utilizá-la, em um prazo longo. As bacias dos rios Feio, Peixe, Santo Anastácio, Paraná e Paranapanema, ainda figuravam nos mapas como zona desconhecida e desabitada. Porém com o avanço das frentes pioneiras, as tribos daquela região haviam reduzido suas forças, exceção apenas quanto aos Coroados. Os Caiuás haviam retrocedido, representando um risco menor. Francisco Tibiriçá, que recebera a concessão definitiva para construir a Estrada Boiadeira, obteve na mesma ocasião autorização do governo do Mato Grosso para abertura da estrada naquele território, em prosseguimento programado para o lado paulista, a seguir assumindo a direção da empreitada. O destino da estrada seria a região de Vacaria, no Mato Grosso.

 

Como até 1880 a maioria das terras entre as barrancas dos rios do Peixe e Paranapanema continuava inexplorada, conforme se constata em trabalho de Waldery Santos3, o governo de São Paulo, contratou Teodoro Sampaio para percorrer e descrever essa região. Em 1886, este iniciou o levantamento de toda a bacia do Paranapanema até sua foz no rio Paraná. Mesmo assim, a maioria das terras entre as barrancas dos rios do Peixe, Paranapanema e Paraná, permanecia inexplorada, e o governo paulista se propôs a explorá-la.

 

Em 1890 o engenheiro José Alves de Lima é incumbido de abrir uma estrada entre o ribeirão São Matheus, região de Campos Novos, até o rio Paraná, para posteriormente chegar-se a Mato Grosso. Entretanto, devido a estrada localizar-se próxima das cabeceiras do rio Feio, desistiu-se do projeto.

 

Nova tentativa se dá em 1892 com a contratação, pelo Serviço Geográfico e Geológico, do engenheiro Olavo Hummel para concluir o itinerário. Em 1893 ele constrói um caminho entre o povoado de São Matheus, no município de Campos Novos do Paranapanema, pelo Vale do rio Santo Anastácio, até as margens do rio Paraná. Esta estrada, feita apenas para fins estratégicos, em pouco tempo é reabsorvida pela mata. Nesse mesmo ano a empreitada é abandonada por Hummel.

 

Com o governador paulista Jorge Tibiriçá, em 1904 a região volta a ter atenção sobre ela. O governador procurou seu primo, o médico Francisco Tibiriçá e ofereceu-lhe a administração do projeto. Este, embora tivesse consultório na capital, aceitou a missão.

 

Francisco Tibiriçá procurou o engenheiro Otto Maoser, seu amigo, a quem propôs dirigir os serviços técnicos da obra, que de imediato aceitou. Contudo, pouco depois, Otto apareceu morto numa rua de Campos Novos Paulista.

 

Francisco Tibiriçá sabia que a Estrada de Ferro vinha sendo construída lentamente. O próprio governo do Estado de São Paulo também sabia que só poderia utilizá-la, em um prazo longo. As bacias dos rios Feio, Peixe, Santo Anastácio, Paraná e Paranapanema, ainda figuravam nos mapas como zona desconhecida e desabitada. Porém com o avanço das frentes pioneiras, as tribos daquela região haviam reduzido suas forças, exceção apenas quanto aos Coroados. Os Caiuás haviam retrocedido, representando um risco menor.

 

Francisco Tibiriçá, que recebera a concessão definitiva para construir a Estrada Boiadeira, obteve na mesma ocasião autorização do governo do Mato Grosso para abertura da estrada naquele território, em prosseguimento programado para o lado paulista, a seguir assumindo a direção da empreitada. O destino da estrada seria a região de Vacaria, no Mato Grosso.

 

Tibiriçá procurou um sócio e encontrou-o na pessoa do Coronel Arthur de Aguiar Diederichsen, rico proprietário de fazendas de criação de gado e de lavouras de café na região de Ribeirão Preto. A união de Francisco Tibiriçá e Arthur de Aguiar Diederichsen resultou na empresa Diederichsen & Tibiriçá, onde o primeiro administraria os serviços da estrada no lado de São Paulo e o segundo no lado do Mato Grosso.

 

O Aniversário de PRESIDENTE EPITÁCIO é comemorado em 27 de MARÇO.

 

Fonte: http://www.presidenteepitacio.sp.gov.br/

 



© Copyright 1999/2014 - Grupo Educacional UNIESP - Todos os direitos reservados.